Quem Somos

Minha foto
Rio de Janeiro, Metropolitana, Brazil
Somos Uma Agencia de Turismo, Atuamos a Vários anos no Mercado Carioca Sempre Levando um Serviço de Alta qualidade Para Nossos Clientes, Nós Trabalhamos com Excursões Rodoviárias, City Tours, Pacotes Regionais, Transporte em Geral,Passeios para Angra e Ilha grande,Passeios para Búzios,Passeios para Petrópolis,Cristo Redentor, Pão de açúcar,Futebol. Temos Varias Opções de Passeios de Um Dia em Todo Estado do Rio de Janeiro, Somos Também Receptivo na Cidade Maravilhosa, Trabalhamos com o Carnaval do Rio em Geral Nossos Pacotes de Carnaval Inclui Transporte, e Ingresso Para Qualquer Setor da Sapucaí. Não Esqueça na Hora de Escolher Sua Viagem Entre em Contato com a nossa central Teremos o Maior Prazer em Atende-lo.

CONTATO

TURISMORJ

LAELSON BEZERRA

021 3243-1216

ID: 55*126*54699
021 7741-2862 NEXTEL


021 98690-5545 OI

021 98209-2161 TIM

2014RIO@GMAIL.COM

http://www.rioshowturismo.com.br/


Passeios Turísticos com Ótimos Preços no Rio de Janeiro


Cidade Maravilhosa 

City tour no Rio de janeiro

Passeios Regulares com saídas todos os dias para visitar os principais pontos turísticos do Rio de janeiro
Guias credenciados e almoço em churrascaria em Copacabana.
Inclui: Transporte com Guia, Pão de Açúcar com Ingresso, Corcovado com Ingresso, Almoço.
Localização: Rio de Janeiro
Local de Encontro: Hotéis da Zona Sul e Centro.
Freqüência: Diariamente.
Horário: A parti das 08h00minh.
Duração: Aproximadamente 09h00minh.
Roteiro: Saída do Hotel, nosso transporte é van, depois de todos embarcados iniciaremos o passeio, com Subida para o cristo redentor de van pala Floresta da Tijuca, Visitaremos a estatua do Cristo redentor, depois iremos para o maracanã onde visitaremos a calçada da fama (parada para fotos), seguiremos para o sambódromo (parada para fotos), Catedral metropolitana (parada para fotos), centro histórico do Rio (panorâmico sem parada), almoço em Copacabana, Panorâmico nas praias (Leblon, Ipanema e Copacabana por fim o Pão de Açúcar com subida de Bonde. 

Valor: R$ 200,00 Por Pessoa.
http://www.rioshowturismo.com.br/

Angra com Ilha Grande

Passeios regulares com saídas todos os dias, guias credenciados pelo ministério do turismo e almoço na ilha grande.
Inclui: Transporte com Guia, Passeio de Barco com Almoço.
Localização: Angra dos Reis Rio de Janeiro.
Local de Encontro: Hotéis da Zona Sul e Centro do Rio de janeiro.
Freqüência: todos os dias.
Horário: A parti das 07:00h.
Duração: Aproximadamente 12:00h.
Roteiro: saída do Hotel no Horário combinado na hora da reserva seguiremos de ônibus ate angra dos reis, no píer principal pegaremos o barco para um passeio. Roteiro do Passeio de Barco: Ilha Botinas, Lagoa Azul, Ilha de Cataguases, Praia das Flechas, Ponta da Piedade Durante o Passeio será servido frutas o almoço será servido abordo.
Valor: R$ 135,00 Por Pessoa.
http://www.rioshowturismo.com.br/

Passeios para Búzios

Passeios regulares com saídas todos os dias, guias credenciados pelo ministério do turismo e almoço na rua das pedras.
Inclui: Transporte com Guia, Passeio de Barco com Bebidas (água e refrigerante) e Almoço.
Localização: Búzios Rio de Janeiro.
Local de Encontro: Hotéis da Zona Sul e Centro do Rio de janeiro.
Freqüência: Todo os dias
Horário: A parti das 07h00minh.
Duração: Aproximadamente 12h00minh.
Roteiro: Saídas do local a combinar, Tour a costa do sol, chegarão a praia de armação dos búzios, pegaremos um barco no píer e seguiremos com um belo passeio de barco pelas praias de Ossos, Azeda, Azedinha, João Fernandes, Tartaruga, Amores, Boi e Rasa, Durante o Passeio será servido Água, Refrigerante e Caipirinha, o almoço Será na rua das Pedras famosa pelas suas Butiques.

Valor: R$ 135,00 Por Pessoa.
http://www.rioshowturismo.com.br/

Petrópolis

Passeios com saídas todas as Terças feiras, Quinta feiras e sábados.
Pagamos nos Hotéis da zona sul e centro do Rio de janeiro.
Guias credenciados no ministério do turismo  com parada para compras na rua Tereza.
Inclui: Transporte com Guia e Ingresso para os Locais Visitados.
Localização: Petrópolis Rj
Local de Encontro: Hotéis da Zona Sul e Centro do Rio de janeiro.
Freqüência: Terças, Quintas e Sábados.
Horário: A parti das 09h00minh.
Duração: Aproximadamente 07h00minh.
Roteiro: Saídas do local combinado no Horário seguirão para Petrópolis, visitaremos (Palácio da Quitandinha, Museu Imperial, Casa de Santos Dumont, Catedral, Palácio de cristal, Centro, Fabrica de Chocolate e Rua Tereza.

Valor: R$ 100,00 Por Pessoa.

Entre em Contato e Confira
http://www.rioshowturismo.com.br/

Dicas


Passeios no Rio de Janeiro Gratis.


Abaixo temos opções de Passeio no Rio de Janeiro sem Gastar muito.


Pista Claudio Coutinho






Pista Cláudio Coutinho

A Pista Cláudio Coutinho, também conhecida como Caminho do Bem-te-vi e Estrada do Costão, localiza-se na Praia Vermelha, no bairro da Praia Vermelha, na cidade e estado do Rio de Janeiro, no Brasil. O seu nome é uma homenagem ao ex-treinador da Seleção Brasileira de Futebol Cláudio Coutinho, antigo formando da Escola de Educação Física do Exército.
Integra o Monumento Natural dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca, criado pelo Decreto Municipal nº 26.578 de 1 de Junho de 2006.
Inaugurada pelo Exército Brasileiro no final da década de 1980, tem a extensão de 1,25 quilômetros, com marcação de distância a cada 50 metros. Circunda o morro da Urca, com acesso a partir da praia Vermelha. Através algumas trilhas a partir dela é possível ter acesso ao morro do Pão de Açúcar.
Em área militar, é utilizada principalmente por desportistas, corredores e também por turistas. Também é utilizado para a pesca, nas pedras que descem em direção ao mar. É proibida a sua utilização como ciclovia, assim como a entrada de animais domésticos. As crianças só podem entrar acompanhadas por adultos.
A fauna e a flora no local são ricas, com espécies nativas e exóticas. Diversos exemplares de pau-brasil foram plantados no local pelos militares.
No seu acesso, por uma ladeira de cerca de 100 metros, encontra-se uma pequena ermida.
A pista encontra-se aberta diariamente, das 6h às 18h.
Acesso pela praia Vermelha Urca.
http://www.rioshowturismo.com.br/

Aterro do Flamengo





Aterro do Flamengo
O Parque do Flamengo, oficialmente Parque Brigadeiro Eduardo Gomes, conhecido popularmente também como Aterro do Flamengo ou Aterro, é um complexo de lazer no Rio de Janeiro, no Brasil. Foi construído sobre aterros sucessivos na Baía de Guanabara.
O parque estende-se do Aeroporto Santos-Dumont, no centro da cidade, ao início da Praia de Botafogo, na zona Sul. Entre os elementos do complexo, destacam-se: o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, a Marina da Glória, o Monumento a Estácio de Sá, uma via expressa, áreas destinadas à prática de esportes, um restaurante e duas praias (a da Glória e a do Flamengo).
Em sua configuração atual, o parque foi inaugurado em 1965, com 1 200 000 metros quadrados.
Acesso: Por diversas linhas de Ônibus ou por 3 estações do metro (Flamengo, Catete, Gloria) 

http://www.rioshowturismo.com.br/

Cinelândia



Cinelândia
A Praça Floriano localiza-se num largo aberto durante as obras de construção da Avenida Central (atual Avenida Rio Branco). Ocupa parte do terreno do antigo Convento, construído no século XVIII e demolido na primeira década do século XX.
A idéia de transformar a nova praça, cercada pelos prédios da Biblioteca Nacional, da Câmara Municipal (Palácio Pedro Ernesto), do antigo Supremo Tribunal Federal, do Palácio Monroe e do Theatro Municipal numa versão brasileira da Times Square veio do empresário Francisco Serrador, um espanhol radicado no Brasil e proprietário de cassinos, cinemas,teatros e hotéis.
O nome Cinelândia popularizou-se a partir dos anos 30. Dezenas de teatros, boates, bares e restaurantes instalaram-se na região, tornando-a referência em matéria de diversão popular.
A Cinelândia foi também palco de algumas das manifestações políticas mais importantes da história do Brasil. É até hoje o local favorito para exibições de ativistas políticos nacionalistas e de extrema-esquerda.
Com a popularização dos shopping-centers, as salas de exibição foram deixando pouco a pouco a Praça Floriano. Atualmente funciona no local apenas o cinema Odeon.
A Cinelândia é o nome popular da região do entorno da Praça Floriano, no centro da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil, englobando a área desde a Avenida Rio Branco até a Rua Senador Dantas, e da Evaristo da Veiga até a Praça Mahatma Gandhi, onde outrora ficava o Palácio Monroe.
Acesso, Diversas em presas de Ônibus ou Metro Estação Cinelândia  

http://www.rioshowturismo.com.br/


Praça XV



Praça XV
Está localizada na região conhecida, nos primórdios da ocupação das terras da cidade, como Praia da Piaçaba. Foi denominada, originalmente, de Largo do Terreiro da Polé, Largo do Carmo, Praça do Carmo, Terreiro do Paço e Largo do Paço.
Nela, foi erguido o prédio do Palácio dos Governadores e da Casa da Moeda, futuras instalações do Paço Real e, depois, Imperial. As obras foram iniciadas por ordem do Conde de Bobadela e terminadas em 1745, no governo de Gomes Freire de Andrade. Foi o primeiro imóvel da cidade a ter vidros nas janelas.
No governo do vice-rei dom Luís de Vasconcelos, foi construído o Chafariz do Mestre Valentim, que, inaugurado em 1789, é, até hoje, um dos símbolos da praça. Muitos pensam que o chafariz está com defeito, quando, na realidade, estudos demonstraram que a água que expelia estava erodindo as esculturas e pedras, razão pelo qual foi desligado.
Até o início do regime republicano, ali estavam também a Capela Imperial (atual Igreja de Nossa Senhora do Monte do Carmo), a Igreja da Ordem Terceira do Carmo, o Convento do Carmo (prédio da antiga Academia de Comércio, atual Universidade Candido Mendes), razão pela qual a região foi palco de acontecimentos e solenidades significativos para a história do Brasil imperial, como casamentos, batizados, aclamações, coroações e enterros.
Quando da morte da rainha Dona Maria I, em 1816, no antigo prédio do Convento do Carmo, o então Largo do Paço foi o palco onde se desenrolou o funeral real. Com os cariocas todos vestidos de negro, o corpo saiu solenemente do paço, para ser depositado no Convento da Ajuda. Dias depois, aconteceram, na praça e em outros locais determinados da cidade, as cerimônias protocolares da morte de um reinante, a única vez que foram executadas em todo o continente americano.
Em 18 de março de 1870, a câmara da cidade deu-lhe a denominação de Praça de Dom Pedro II. Porém, com a Proclamação da República do Brasil em 15 de novembro de 1889, seu nome foi trocado para a denominação atual, em homenagem à data da proclamação. Nos fins do século XIX, eram oficialmente descritos os seus contornos e limites "pela Rua Dom Manoel, Praça das Marinhas, ruas do Mercado, 1º de Março, 7 de Setembro e da Misericórdia".
Quando foi feita, em 1878, por ordem da Câmara Municipal, a nova numeração dos prédios da cidade, o serviço começou justamente no local, recebendo o Paço Imperial o número sete. Nela, estavam também, em 1878, os prédios da Secretaria de Agricultura, da Agência Nacional de Colonização, a Praça do Mercado e a estação das barcas que navegam para Niterói.
Em 1888, foi defronte do Paço Imperial que ocorreram as maiores comemorações pela assinatura da Lei Áurea. No entanto, logo depois, em 1889, com a Proclamação da República do Brasil, foi o local de onde partiu a família imperial para o exílio. O prédio foi transformado, então, em repartição dos Correios e Telégrafos, sofrendo uma série de reformas que o descaracterizaram. Hoje inteiramente restaurado, é um centro cultural com livrarias, restaurantes e espaços para exposições.
Em 12 de novembro de 1894, foi solemente inaugurado o panteão do General Osório. Encimado por sua estátua equestre, fundida com os bronzes dos canhões apreendidos no Paraguai, uma homenagem da pátria brasileira a um dos heróis da Guerra do Paraguai. No entanto, nos fins do século XX, seus restos mortais foram removidos para Porto Alegre, capital de seu estado natal.
A praça, até o início do século XX, era o ponto principal de desembarque e entrada na cidade.
Em 10 de junho de 1965, foi inaugurada a estátua equestre do rei dom João VI, presente do povo de Portugal à cidade, por ocasião dos festejos do quarto centenário de sua fundação. Foi colocada no local onde teria desembarcado em 1808. Esta estátua é da autoria de Salvador Barata Feyo, um escultor natural de Namibe, em Angola. Uma cópia de semelhante estátua encontra-se na rotunda do Forte de São Francisco Xavier do Queijo, na Praça de Gonçalves Zarco, na cidade do Porto, em Portugal. De acordo com instruções do escultor desta obra, ambas as estátuas deveriam estar voltadas uma para outra, como simbolismo e ligação entre a mesma pessoa (dom João VI) e os dois países (Portugal e Brasil). Essa mesma ligação profunda e desmentível foi mais marcada ainda pela presença de um globo terrestre com a cruz de Cristo por cima, que a figura de dom João leva na sua mão direita. A crer em João Barata Feyo, “... o globo terrestre com a Cruz de Cristo é um símbolo da história de Portugal, que é a descoberta, a conquista, a navegação. Ele leva a sua tradição de rei português. Digamos que Portugal se caracteriza pela aventura que realizou, pela descoberta dos caminhos para a Índia, Brasil. Foi uma forma de congregar, na figura de dom João VI, toda a história de Portugal.
No local do antigo Mercado Municipal, ergue-se, hoje, o moderno prédio da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro.
Na década de 1950, foi construída a Avenida Perimetral, que, ligando a Avenida Presidente Vargas ao Parque Brigadeiro Eduardo Gomes, atravessou o local.

http://www.rioshowturismo.com.br/


Historia do Rio de Janeiro




A região que ocupa atualmente a cidade do Rio de Janeiro  foi descoberta no dia 1º de janeiro de 1502 por uma expedição portuguesa comandada por Gaspar de Lemos, que acreditou ter chegado à desembocadura de um grande rio, assim, batizou a baía com o nome de Rio de Janeiro. Contudo, foram os franceses que primeiro se estabeleceram na região e competiam com os portugueses no comércio madeireiro. Os portugueses estabeleceram serrarias naquela localidade e, em resposta à ameaça da presença portuguesa, os franceses trouxeram colonos para habitar e explorar o lugar, em 1555. Depois de anos de luta os franceses foram expulsos.
  Como resposta às intenções francesas, no dia 1º de março de 1565, Estácio de Sá funda a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. A cidade possuía ruas irregulares e estilo português medieval. A expulsão definitiva dos franceses ocorreu em 1567.
Devido à posição estratégica da cidade na Baía de Guanabara, desenvolveu-se ali uma zona portuária e comercial (madeira, pesca e cana-de-açúcar), desta forma, a população também aumentou. Em 1660, a população daquela cidade contava com 6000 índios, 750 portugueses e 100 negros.
No fim do século XVII e início do século XVIII, a descoberta de metais, especialmente ouro, em Minas Gerais, fez com que o Rio de Janeiro se transformasse numa ponte entre as minas e a Europa.
  No final do século XVIII, a cidade foi abalada por uma crise econômica, as minas já não produziam tanto e havia outros países sul-americanos que competiam com o Brasil na produção de cana-de-açúcar. Contudo, o cultivo do café, a chegada da família real, em 1808, e o conseqüente translado do governo português para a colônia deram um novo alento à economia da cidade. Nesta época, a realeza construiu igrejas e palácios. Na segunda metade do século XIX, a instalação de vias férreas trouxe um novo impulso à produção agrícola e de café, começavam a aparecer as primeiras indústrias no centro da cidade, a iluminação a gás e circulavam transportes com tração animal.
A cidade havia crescido bastante, no final do século XIX, contava com 800.000 habitantes e os problemas sanitários, de emprego, habitacionais e as constantes epidemias de varíola, tuberculose e febre amarela castigavam a então capital do Brasil. Em 1903, Francisco Pereira passos tornou-se prefeito da cidade. Durante sua administração foram criadas avenidas e parques e também um novo porto, casas sem condições adequadas de higiene foram demolidas levando a população pobre a viver nos subúrbios.
A cidade do Rio de Janeiro conheceu seu maior esplendor entre 1920 e 1950, quando pessoas do mundo inteiro vinham atraídas pela sua imagem romântica, seus cassinos e suas belezas naturais. Em 1960, deixou de ser capital do país.

http://www.rioshowturismo.com.br/

Cristo Redentor Detalhes


O Cristo Redentor é um monumento retratando Jesus Cristo, localizado no bairro do Alto da Boa Vista, na cidade do Rio de Janeiro, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Situa-se no topo do Morro do Corcovado, a 709 metros acima do nível do mar. Foi inaugurado às 19h 15min do dia 12 de outubro de 1931, depois de cerca de cinco anos de obras. Um símbolo do cristianismo, o monumento tornou-se um dos ícones mais conhecidos internacionalmente do Brasil. No dia 7 de julho de 2007, em Lisboa, no Estádio da Luz, foi eleito uma das novas sete maravilhas do mundo. Dos seus 38 metros, oito estão no pedestal e trinta na estátua, a qual é a segunda maior escultura de Cristo no mundo, atrás apenas da Estátua de Cristo Rei, na Polônia.
Em uma pesquisa realizada pela revista América Economia, no ano de 2011, o Cristo Redentor foi considerado por 23,5 por cento dos entrevistados como o maior símbolo da América Latina. A pesquisa foi feita pela internet e reuniu a opinião de 1 734 executivos de todos os países da região.

http://www.rioshowturismo.com.br/

Pão de Açúcar Historia


A vista da Baía da Guanabara, considerada uma das paisagens mais belas do mundo, era o atrativo que levava curiosos e alpinistas a escalar o Pão de Açúcar, já em fins do século XIX. O desenvolvimento das técnicas de engenharia levaram, já em 1908, ao engenheiro Augusto Ferreira Ramos a idealizar um sistema teleférico que facilitasse o acesso a cume do monte.
Quando o bondinho foi construído, só existiam dois no mundo: o teleférico de Monte Ulia, na Espanha, com uma extensão de 280 metros e que foi construído em 1907; e o teleférico de Wetterhorn, na Suíça, com um extensão de 560 metros, construído em 1908.
Para construir o teleférico foram necessário mais de 400 homens. Eram operários-escaladores. Cada um subiu com algumas peças para no topo do Morro do Pão de Açúcar fossem montadas. No final era um guincho que auxiliou na subida dos cabos de aço. Até hoje é possível ver os pinos que foram colocados por estes escaladores na rocha na subida pelo Costão do Pão de Açúcar.
O bondinho funciona ao longo de duas rotas, uma ligando a base do morro da Babilônia ao morro da Urca e outra ligando o morro da Urca ao pico do Pão de Açúcar.
A primeira linha (estação inicial - morro da Urca) possui extensão de 600 metros e a velocidade máxima durante a viagem é de 6 metros por segundo (21,6km/h). A segunda linha (morro da Urca - Pão de Açúcar) possui extensão de 850 metros e a velocidade máxima durante a viagem é de 10 metros por segundo (36 km/h).
A capacidade atual é de 60 passageiros por viagem. Como o trajeto de cada linha é realizado em aproximadamente 3 minutos, a capacidade do teleférico é de 1170 passageiros por hora.
O bondinho foi ainda cenário do filme 007 Contra o Foguete da Morte, de 1979, no qual o agente secreto britânico James Bond (aqui interpretado pelo ator Roger Moore) derrota seu famoso inimigo Dentes de Aço (Jaws), interpretado por Richard Kiel.
Em 2002, quando completou 90 anos, a data foi comemorada com um grande show do cantor Roberto Carlos, no Aterro do Flamengo.
Nestas nove décadas foram transportados 31 milhões de passageiros (segundo a Riotur)
O Pão de Açúcar também foi o escolhido para o lançamento do último filme da saga Harry Potter. A primeira seção teve a presença do ator Tom Felton (Draco Malfoy) e contou com uma seção de cinema no Morro da Urca.

http://www.rioshowturismo.com.br/

Copacabana


Copacabana é um bairro nobre situado na Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. É um dos bairros mais famosos do Brasil. Tem o apelido de Princesinha do Mar. Faz divisa com os bairros da Lagoa, Ipanema, Botafogo, Leme e Humaitá.
Copacabana atrai um grande contingente de turistas para seus mais de oitenta hotéis, que ficam especialmente cheios durante as épocas do ano-novo e do carnaval. No fim de ano, a tradicional queima de fogos na Praia de Copacabana atrai uma multidão de pessoas. A orla ainda é lugar de variados eventos, como shows nacionais e internacionais, durante o resto do ano.
O bairro é repleto de restaurantes, bares, cafés, hotéis, cinemas, bancos, igrejas, sinagogas (tradicionalmente abriga a comunidade judaica carioca), lojas, teatros e feiras de arte nos finais de semana. O comércio é bastante diversificado, com lojas de alto padrão misturadas a outras de perfil mais popular, além de camelôs. É o bairro com o maior número de idosos e aposentados do Rio de Janeiro.
Transporte
O bairro oferece três estações de metrô (Cardeal Arcoverde, Siqueira Campos e Cantagalo) e mais de oitenta linhas de ônibus municipais e intermunicipais.
As principais vias do bairro são:
Avenida Atlântica (a avenida que margeia a Praia de Copacabana)
Avenida Nossa Senhora de Copacabana (principal avenida, cruzando o bairro, sendo uma das mais congestionadas de toda a zona sul do Rio de Janeiro)
Avenida Princesa Isabel (interliga os bairros de Copacabana, Leme e Botafogo)
Avenida Rainha Elizabeth da Bélgica (interliga os bairros de Copacabana e Ipanema)
Avenida Prado Júnior
Rua Barata Ribeiro (cruza Copacabana, sendo a segunda via com trânsito mais intenso no bairro)
Rua Coelho Cintra (conhecida também como Antiga Ladeira do Leme, responsável por ligar os bairros de Copacabana e Botafogo)
Rua Tonelero
Rua Pompeu Loureiro (interliga os bairros de Copacabana e Lagoa)
Rua Raul Pompéia
Rua Siqueira Campos
Rua Figueiredo de Magalhães (interliga os bairros de Copacabana e Botafogo)

Ipanema


Ipanema é um bairro nobre da cidade brasileira do Rio de Janeiro, fundado em 1894 por José Antônio Moreira, conde de Ipanema. Faz divisa com os bairros de Copacabana, Leblon e Lagoa.
Praia de Ipanema

Os visitantes da praia de Ipanema devem ter cuidado na hora de mergulhar, pois há correntezas fortes. O Arpoador, uma das pontas de Ipanema, é um paraíso do surfe. O Posto Nove é considerado um dos melhores pontos da praia carioca, freqüentado por celebridades e pelos jovens. Um hábito bastante comum é aplaudir o pôr do sol, um costume lançado no verão de 1968/1969, quando o jornalista Carlos Leonam, inconformado com a beleza, começou a aplaudir, sendo logo em seguida acompanhado pela roda de amigos, que contava com a presença de Glauber Rocha, João Saldanha, Jô Soares, entre outros. Esse costume de aplaudir o pôr-do-sol foi consagrado pelo publicitário Roberto Duailibi, numa propaganda para televisão de protetor solar.
Historia
O desenvolvimento da Zona Sul foi forçado pela chegada da corte portuguesa no século XIX, quando a população da cidade passou de 60 000 para 500 000 habitantes. A corte preferiu seguir rumo norte, em direção à Floresta da Tijuca, enquanto que o corpo diplomático e os ingleses preferiram a Zona Sul, onde só havia vilas de pescadores.
O loteamento de Ipanema começou após a fundação da Villa Ipanema em 1894 pelo Conde de Ipanema. Apesar de Ipanema ter-se desenvolvido antes que o Leblon, as terras de Ipanema também pertenceram ao francês Carlos Leblon, que as vendeu a Francisco José Fialho, que, por sua vez, as vendeu ao Conde de Ipanema em 1878.
Interessado no loteamento da região, o Conde de Ipanema configurou as praças Marechal Floriano Peixoto (atual Praça General Osório) e Coronel Valadares (atual Nossa Senhora da Paz), abriu a Avenida Vieira Souto, as ruas Alberto de Campos, Farme de Amoedo, Prudente de Morais, Nascimento Silva, Montenegro (atual Vinícius de Moraes), 20 de Novembro (Avenida Visconde de Pirajá), 4 de Dezembro (hoje Teixeira de Melo), 16 de Novembro (Jangadeiros), 28 de Agosto (Barão da Torre), entre outras.
O período de maior adensamento do bairro se deu a partir da década de 1960, quando houve o avanço da especulação imobiliária sobre o bairro, substituindo-se casas por edifícios. Os preços dos imóveis dispararam e Ipanema passa a ser um dos bairros mais caros do Rio de Janeiro. Sinônimo de vanguarda, nos anos 1960 e 1970, Ipanema foi palco do tropicalismo, da bossa nova, do Pasquim, do Teatro de Ipanema, da tanga e do topless.

http://www.rioshowturismo.com.br/

Leblon


Leblon é um bairro nobre da zona sul da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Localiza-se entre a Lagoa Rodrigo de Freitas, o Oceano Atlântico, o Morro Dois Irmãos e o Canal do Jardim de Alá. O bairro faz divisa com a Gávea, a Lagoa, Ipanema e o Vidigal. Seus habitantes pertencem, majoritariamente, à classe alta, incluindo alguns dos nomes da elite cultural, econômica e política carioca. No entanto, há também moradores de classe média, especialmente aqueles que vivem no bairro há muitos anos, além dos moradores da comunidade da Cruzada São Sebastião. Algumas das suas ruas mais tradicionais são as Avenidas, Avenidas Ataulfo de Paiva, Rua Rainha Guilhermina, Avenida Bartolomeu Mitre e Avenida Afrânio de Mello Franco. Esse bairro, de acordo com o projeto do governo estadual, possuirá uma estação de metrô a ser chamada de Estação Leblon.
O dia do Leblon é comemorado a 26 de julho, pois, nessa data do ano de 1919, foi definida a configuração atual da maior parte de suas ruas.
O bairro abriga a sede do clube de futebol com maior número de torcedores do Brasil, o Clube de Regatas do Flamengo.
Historia
O primeiro registro escrito sobre a atual região ocupada pelo bairro é um mapa feito por exploradores franceses em 1558. No mapa, a região coincide com a aldeia tamoia de Kariané. Nesse mesmo século, após a vitória dos portugueses sobre os franceses no conflito da França Antártica, o governador português Antônio Salema espalhou roupas infectadas com o vírus da varíola nas matas às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, com o propósito de exterminar os índios tamoios que habitavam a região e poder, assim, estabelecer engenhos de cana-de-açúcar na região. Em 1603, Antônio Pacheco Calheiros obteve a posse por enfiteuse (empréstimo) da região, chamada na época de "Costa Brava" ou "Praia Brava". Em 1606, a posse das terras foi passada a Afonso Fernandes.
Em 1609, foi passada a Martim de Sá, governador do Rio de Janeiro. Em 1610, foi passada para Sebastião Fagundes Varela, que passou a utilizar a região como local de pastagem para seu gado. Em 1808, Dona Aldonsa da Silva Rosa comprou as terras. O português Manoel dos Santos Passos comprou-as em 1810. Bernardino José Ribeiro comprou-as em 1844 e vendeu-as no ano seguinte ao empresário francês Carlos Leblon, que montou na região uma empresa de pesca de baleias. Na época, as baleias, em especial as cachalotes, eram muito importantes na economia, pois forneciam óleo usado na construção civil e na iluminação pública. Nesse período, as terras de Leblon passaram a ser conhecidas como Campo do Leblon. A partir de 1854, com a implantação da iluminação a gás pelo Barão de Mauá, o negócio de pesca de baleias entrou em decadência e Leblon vendeu seu terreno para o empresário Francisco Fialho.
Em 1878, Fialho vendeu as suas terras para vários compradores, entre os quais o português José de Guimarães Seixas, que era simpatizante do movimento pela abolição da escravidão e que utilizou as terras para abrigar escravos fugitivos. No início do século XX, a Companhia Construtora Ipanema adquiriu os terrenos, dividiu-os em pequenos lotes com ruas oficiais e, em 26 de julho de 1919, começou a vendê-los a particulares, já com o nome de "Leblon". Em 1920, o prefeito Carlos Sampaio construiu os canais do Jardim de Alá e da Avenida Visconde de Albuquerque.

http://www.rioshowturismo.com.br/

Maracanã


O Estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã, o popular Maraca ("semelhante a um chocalho" em tupi-guarani, devido ao som de pássaros que viviam por ali), é um estádio de futebol localizado no Rio de Janeiro e inaugurado em 1950, tendo sido utilizado na Copa do Mundo de Futebol daquele ano. Desde então, o Maracanã foi palco de grandes momentos do futebol brasileiro e mundial, como o milésimo gol de Pelé, finais do Campeonato Brasileiro, Carioca de Futebol, Taça Libertadores da América e do primeiro Campeonato Mundial de Clubes da FIFA, além de competições internacionais e partidas da Seleção Brasileira. Foi um dos locais de competição dos Jogos Pan-Americanos de 2007, recebendo o futebol, as cerimônias de abertura e de encerramento. Sediará o futebol e as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos de 2016, que serão realizados na cidade do Rio de Janeiro. É também o palco da partida final da Copa do Mundo FIFA de 2014.
Ao longo do tempo, no entanto, o estádio passou a assumir caráter de espaço multiuso ao receber outros eventos como espetáculos e partidas de outros esportes, como o voleibol em uma oportunidade. Após diversas obras de modernização, a capacidade atual do estádio é de 82 238 espectadores, sendo o maior estádio do Brasil.
O nome oficial do estádio, Mário Rodrigues Filho, foi dado em homenagem ao falecido jornalista pernambucano, irmão de Nelson Rodrigues, que se destacou no apoio à construção do estádio.
Já o nome popular é oriundo do Rio Maracanã, que cruza a Tijuca passando por São Cristóvão, desaguando no Canal do Mangue antes do deságüe na Baía de Guanabara. Em língua tupi, a palavra maracanã significa "semelhante a um chocalho". Antes da construção do estádio, existia, no local, grande quantidade de aves vindas do norte do país chamadas maracanã-guaçu. Devido à construção do estádio, foi criado o bairro do Maracanã, onde o estádio fica localizado, originalmente parte do bairro da Tijuca.

Construção e inauguração

A construção do Maracanã foi muito criticada por Carlos Lacerda, na época deputado federal e inimigo político do prefeito da cidade, o general Ângelo Mendes de Morais, pelos gastos e, também, devido à localização escolhida para o estádio, defendendo que o mesmo fosse construído em Jacarepaguá. Ainda assim, apoiado pelo jornalista Mário Rodrigues Filho, Mendes de Morais conseguiu levar o projeto para frente. Na área escolhida, situava-se uma arena destinada à corrida de cavalos. A concorrência para as obras foi aberta pela prefeitura do Rio de Janeiro em 1947, tendo como projeto arquitetônico vencedor o apresentado por Miguel Feldman, Waldir Ramos, Raphael Galvão, Oscar Valdetaro, Orlando Azevedo, Pedro Paulo Bernardes Bastos e Antônio Dias Carneiro. As obras iniciaram-se em 2 de agosto de 1948, data do lançamento da pedra fundamental. Trabalharam na construção cerca de 1 500 homens, tendo se somado a estes mais 2 000 nos últimos meses de trabalho. Apesar de ter entrado em uso em 1950, as obras só ficaram completas em 1965.
Sua inauguração deu-se com a realização de uma partida de futebol amistosa entre seleções do Rio de Janeiro e São Paulo no dia 16 de junho de 1950, vencida pelos paulistas por 3 a 1. O meio-campista da equipe carioca Didi, do Fluminense, foi o primeiro autor de um gol no estádio. 

http://www.rioshowturismo.com.br/

Sambódromo do Rio de Janeiro


A Passarela Professor Darcy Ribeiro, popularmente conhecida como Sambódromo, localiza-se na Avenida Marquês de Sapucaí, nos bairros Centro e Cidade Nova, no município do Rio de Janeiro, no Brasil. A maior parte da passarela situa-se no Centro, porém a sua porção final, após a Avenida Salvador de Sá, pertence ao bairro Cidade Nova.
Características
O seu projeto, de autoria do arquiteto Oscar Niemeyer, foi implantado durante o primeiro governo fluminense de Leonel Brizola (1983-1987), visando a dotar a cidade de um equipamento urbano permanente para a exibição do tradicional espetáculo do desfile das escolas de samba. Inaugurada em 1984, com o nome oficial de "Avenida dos Desfiles", marcou o início do sistema de desfiles das escolas de samba em duas noites, ao invés de em apenas uma noite, como era costume até então. Posteriormente, seu nome oficial mudou para "Passarela do Samba" e, finalmente, a partir de 18 de fevereiro de 1987, seu nome oficial passou a ser "Passarela Professor Darcy Ribeiro", numa homenagem ao principal mentor da obra, o antropólogo Darcy Ribeiro. Essa denominação oficial se conserva até hoje. Popularmente, porém, a obra é mais conhecida como "Sambódromo", que foi um termo cunhado pelo próprio Darcy Ribeiro, a partir da junção de "samba" com o sufixo de origem grega "dromo", que significa "corrida, lugar para correr". Sua estrutura, em peças pré-moldadas de concreto, possui cerca 700 metros de comprimento.
Reforma em 2012
Em 5 de junho de 2011, os camarotes do antigo Setor 2 foram derrubados para dar lugar a novas arquibancadas, seguindo o projeto original de Oscar Niemeyer. Com a reforma, a passarela passou a ser quase totalmente simétrica, à exceção da sua primeira arquibancada. Na época de sua construção, em 1984, o projeto de Niemeyer teve de ser modificado devido à existência de uma unidade industrial da Cervejaria Brahma no local. As novas arquibancadas foram instaladas a um custo de 300, 000, 000 de reais, aumentando a capacidade da passarela para 75, 000 pessoas. A nova passarela, após as reformas, foi inaugurada no dia 12 de fevereiro de 2012.

http://www.rioshowturismo.com.br/